Cores entre o natural e o digital

A ascensão de cores trans-sazonais e tonalidades melhoradas digitalmente estão entre os principais destaques na paleta de cores do outono-inverno 2021/2022. Além desta divisão entre tons mais naturais e outros mais digitais, há cinco cores que se destacam na estação.

A paleta está dividida em duas partes, uma mais focada em tons naturais e nostálgicos, batizada Grounded Nostalgia, e outra com tonalidades mais digitais, a que o WGSN chamou Digital Fantasy. Neutros como o preto, azul-marinho, castanho-madeira, pecã, cinzento e verde kapok criam a base de cores para a estação, apimentados por tonalidades mais vivas como os vermelhos. Os verdes e castanhos, que estiveram mais presentes no vestuário de homem e senhora na primeira metade de 2019, têm a maior presença nas paletas para a estação fria de 2021/2022, surgindo numa maior variedade de tons, desde os mais escuros e profundos às versões mais luminosas e claras.

Golden Harvest

Golden Harvest [©WGSN]
Entre as cores-chave da estação está o que o WGSN designa de Golden Harvest, um castanho dourado inspirado nos campos de trigo. É uma atualização do bege, usado abundantemente no vestuário de homem e senhora no ano passado. Segundo o WGSN, os neutros foram dos mais procurados na primavera-verão 2019, o que sugere que os estilos mais básicos estão a ganhar popularidade no contexto de moda. Este tom pode ser aplicado a denim, malhas e clássicos como gabardines, bem como acessórios.

Bloodstone

Bloodstone [©WGSN]
Bloodstone é o segundo tom essencial e consiste num rosa-avermelhado, que pode ser combinado com diversas outras cores e terá uma atratividade mundial, capitalizando a popularidade dos vermelhos na China e na América do Sul, assim como o gosto por tonalidades mais matizadas na Europa. Embora seja um tom clássico, tem também a qualidade para se integrar com os temas mais escuros. A cor é versátil e funcionará bem para vestuário em malha, vestidos, swimwear, vestuário exterior e acessórios.

Dark Springs [©WGSN]
Dark Springs

Dark Springs é um verde muito escuro que se deverá afirmar como uma alternativa mais interessante ao preto. «O preto consistentemente tem a maior quota na mistura de cores como tonalidade central e estamos agora a ver um aumento no segmento de luxo», onde constituiu 22% do vestuário, tanto de homem como de senhora, no Reino Unido em 2019.

Esta tonalidade Dark Springs confere ainda uma profundidade ao estilo de Rothko – quanto mais se olha para ele, mais parece mudar. De dia parece mais verde, à noite parece mais preto. O WGSN aconselha a utilização em todas as categorias de moda.

Electric Magenta

Electric Magenta [©WGSN]
O Electric Magenta é uma cor revigorante com um aspeto artificial, como uma versão gerada por computador do rosa das bagas. Embora pareça pouco normal para o outono-inverno, o WGSN sublinha que está apenas a alguns tons das cores mais clássicas como o vermelho e o burgundy. Pode ser usado em vestuário de festa de senhora, malhas e activewear.

A.I.Aqua

Nesta onda de tons artificiais, consta ainda o A.I.Aqua, um azul forte que migra da paleta da primavera-verão 2021, já utilizado por Helmut Lang e Off-White, e que pode ser usado tanto para as coleções de homem como de senhora, nomeadamente em activewear e tecidos técnicos.

A.I.Aqua [©WGSN]
 

Notícias relacionadas

Últimas notícias

Somelos integra tecidos com proteção UV na coleção

O desenvolvimento, realizado em parceria com a Universidade do Minho, permite ter tecidos finos e leves, feitos em fibras naturais celulósicas e com proteção aos raios ultravioletas. Além de um fator de proteção UPF 50+, os tecidos da Somelos têm características de conforto e uma multiplicidade de cores e padrões.

Robotização na produção de vestuário mais perto

Um projeto tecnológico financiado pelo Advanced Robotics for Manufacturing Institute e que junta a Siemens e a Sewbo deu os primeiros passos para revolucionar a indústria de vestuário, com a capacidade de confecionar uma peça de roupa sem intervenção humana.

Indústria de moda britânica anda às compras

A pandemia fragilizou muitas empresas de moda britânicas, que não tiveram outra hipótese que não submeter pedidos de insolvência ou procurar investidores. Uma oportunidade que está a ser aproveitada pelos players mais fortes, como a retalhista Marks & Spencer, que ontem confirmou a compra da marca Jaeger.

Quer receber as nossas notícias?

Subscreva a nossa newsletter diária e receba as últimas notícias diretamente na sua caixa de e-mail