Europeus são os menos otimistas na recuperação

Apesar de, no geral, as expectativas de volume de negócios das empresas da indústria têxtil e vestuário serem mais positivas em dezembro do que em setembro, com uma quebra prevista menos acentuada, os europeus estão entre os mais afetados e os menos otimistas na retoma.

O sexto estudo sobre o impacto do novo coronavírus na cadeia de valor têxtil da Internacional Textile Manufacturers Federation (ITMF), realizado de 20 de novembro a 14 de dezembro, concluiu que as expectativas de volume de negócios subiram 4% em comparação com o último estudo, realizado em setembro.

O estudo incluiu 159 empresas de todo o mundo. Em comparação com o 5.º inquérito, realizado de 5 a 25 de setembro, as previsões para o volume de negócios melhoraram, com uma redução da queda esperada de 4%, de -16% no estudo anterior para -12% – ambos os valores em comparação com 2019.

Atualmente, o maior impacto parece estar a ser sentido no sul da Ásia (cerca de -18%), na Europa, incluindo a Turquia (-12%), e no sudoeste asiático (-11%), enquanto as quedas menos acentuadas são esperadas na América do Sul, em África e no leste da Ásia, de acordo com os inquiridos. As empresas americanas antecipam uma quebra de 10%.

Para 2021 e os próximos anos, as previsões de volume de negócios também subiram. Em média, as empresas esperam uma pequena melhoria – um aumento para +3% em termos anuais no mais recente estudo, em comparação com uma queda de -1% apontada pelas empresas no estudo de setembro.

Para 2022 e 2023, as expectativas melhoraram ligeiramente, para um ganho de 11% em comparação com 9%, e uma subida de 15% face a um aumento de 14%, respetivamente, para os inquéritos de novembro-dezembro e o de setembro.

«As previsões de volume de negócios para 2024 – em comparação com os níveis de 2019 – não mudaram (+18% no quinto e no sexto inquérito)», salienta a ITMF em comunicado.

Questionados sobre a evolução esperada do volume de negócios da empresa entre 2020 e 2024 em comparação com os níveis de 2019, os maiores aumentos são antecipados pelos inquiridos no Sudeste Asiático (+30%), seguidos dos sediados no sul da Ásia (+21%), no leste da Ásia (+19%), na América do Norte (+18%), na América do Sul (+16%), em África (+15%) e na Europa, incluindo a Turquia (+11%).

O ITMF considera que este inquérito mostra que a médio e longo prazo, as expectativas em relação ao volume de negócios não mudaram significativamente. «Contudo, devido a uma diminuição reduzida do volume de negócios de -10% em 2020, a indústria espera recuperar as perdas de 2020 até ao final de 2022», conclui o ITMF.

Notícias relacionadas

Últimas notícias

A essência de David Catalán

Reworks, a coleção para o outono-inverno 2021/2022 do designer espanhol radicado em Portugal, conjuga o vestuário de trabalho com o conforto e o guarda-roupa clássico. As propostas, que foram apresentadas no calendário oficial da Semana de Moda Masculina de Milão, marcam um regresso à essência da marca.

Anti-Covid

A saúde e a segurança dos cidadãos são prioridades absolutas, sendo essencial garantir que os equipamentos que são capitais na prevenção e no combate ao Covid-19 cheguem às empresas do sector. Convidámo-lo por isso a dar a conhecer os seus produtos e as soluções específicos para evitar a propagação do SARS-CoV-2.

Para onde vai a indústria da moda?

O estudo The State of Fashion 2021 aponta dois cenários de recuperação e 10 temas que irão moldar a atividade da indústria da moda nos próximos 12 meses, incluindo a evolução da economia, as mudanças no consumidor e as alterações no próprio sistema.

Quer receber as nossas notícias?

Subscreva a nossa newsletter diária e receba as últimas notícias diretamente na sua caixa de e-mail