F3M avança com novo software para QR Code

Com a obrigação da emissão de faturas com código QR entre as alterações previstas em matéria fiscal, a empresa portuguesa está a avançar com a implementação de novas versões das soluções tecnológicas de gestão para os negócios da indústria têxtil.

Segundo o Despacho nº 412/2020-XXII, de 23 de outubro, que introduziu alterações às datas definidas pela Portaria nº 195/2020, de 13 de agosto, faturas e outros documentos fiscalmente relevantes vão passar a incluir um QR Code, «requisito que vai implicar alterações ao nível dos programas informáticos e também de configuração e imagem dos documentos», explica, em comunicado, a F3M.

Para responder a esta necessidade, a F3M está já a implementar em várias empresas da indústria têxtil novas versões do seu software, ao mesmo tempo que está a realizar sessões de esclarecimento e a sensibilizar os seus clientes para este tema, para, indica, «ajudar as empresas e os seus profissionais a adaptarem-se às novas regras de faturação».

A empresa tem mesmo ações de informação específicas para o sector têxtil, uma vez que «além de ser necessário realizar a instalação da atualização do software, será preciso que as empresas, por exemplo, verifiquem a personalização dos documentos». A F3M adianta ainda que «é ainda fundamental avaliar se as impressoras garantem a legibilidade do código QR, uma vez que nem todos os equipamentos poderão estar preparados para este efeito. São vários os procedimentos que necessitarão de ser avaliados e analisados».

«É uma realidade nova, à qual as empresas se têm de adaptar com alguma brevidade, já que algumas alterações entram em vigor em janeiro. Estamos, nesse sentido e junto dos nossos clientes, a prestar todo o apoio necessário, não só ao nível do software, mas informando e esclarecendo dúvidas sobre as informações que terão efetivamente de ser incluídas. É o caso do Código Único de Documento (ATCUD), cuja inserção nas faturas acabou por ser adiada para 2022», explica João Oliveira, responsável pela Área Têxtil.

[©F3M]
A inclusão de um Código Único de Documento nas faturas e em outros documentos fiscalmente relevantes, passa a ser obrigatória só a partir de 1 de janeiro de 2022, ao contrário do que estava inicialmente previsto pela Portaria, e a comunicação de séries documentais para obtenção do código de validação será permitida pela Autoridade Tributária aos sujeitos passivos apenas a partir do início do segundo semestre de 2021, esclarece a F3M.

Além de combater a fraude fiscal, o Governo pretende, com estas medidas, desmaterializar processos e reduzir o uso do papel. A inclusão do Código QR nas faturas vai ainda dar aos contribuintes a possibilidade de, através de uma app instalada no seu telemóvel, validarem as mesmas.

Notícias relacionadas

Últimas notícias

Químicos ecológicos e fiáveis

Soluções mais amigas do ambiente, que permitem uma redução do consumo mas que não comprometem os resultados finais, estão na base da oferta das empresas que se dedicam aos químicos para a indústria têxtil e vestuário, como a LCP - Leite & Campos, o Flamaway Group, a CHT e a Kornit.

ISPO ultima participação virtual

A feira de desporto está a aceitar inscrições para a presença online na edição de fevereiro, assim como de concorrentes ao prémio ISPO Award 2021. A apresentação em formato digital e uma sala de reuniões virtual são alguns dos benefícios dos cinco dias da ISPO Munich 2021.

FS Baby faz apostas múltiplas

A marca de moda infantil está a diversificar a oferta e, para a primavera-verão do próximo ano, apresentou fatos de banho e acessórios em verga. As máscaras fazem também parte da nova realidade, assim como o reforço do canal digital.

Quer receber as nossas notícias?

Subscreva a nossa newsletter diária e receba as últimas notícias diretamente na sua caixa de e-mail