«Haverá uma relocalização da produção para a Europa»

Alicia Garcia-Herrera, investigadora do Bruegel, analisa o impacto que o Covid-19 tem na globalização. Para a economista vivem-se tempos de grandes mudanças com a relocalização da produção para a Europa, o que pode ser importante para Portugal e Espanha.

Ainda estamos em plena pandemia, mas já se começam a contabilizar as mudanças que o mundo irá sofrer no futuro. Depois do Covid-19, parece que nada mais será como dantes.

A investigadora Alicia Garcia-Herrera do Bruegel, um think tank europeu especialista em economia, analisa, em entrevista à revista Exame, o impacto do novo coronavírus na globalização.

Alicia Garcia Herrera diz que «devemos esperar grandes mudanças», o que adianta «já está a ocorrer e vai acelerar». Para a economista, «vão acontecer duas coisas: relocalização da produção para a Europa, que pode ser importante para a Portugal e Espanha, e [da China] para países como o Vietname». A economista diz mesmo que «achava que este segundo modelo seria o mais usado, mas o coronavírus está a diminuir essas possibilidades».

«Não vai ser tudo relocalizado, mas será mais do que pensávamos», acrescenta.

Para a investigadora do Buegel «o coronavírus força uma desglobalização que será diferente da guerra comercial. Não é apenas um problema de cadeias de valor».

Prosseguindo no mesmo registo, Alicia Garcia-Herrera considera que «estamos a caminhar para uma desglobalização no movimento de pessoas». Uma medida que, acredita, «muitos Governos estavam ansiosos» por começar.

A liberalização tornou o comércio mais livre e com menos tarifas, uma realidade que poderá estar prestes a mudar.  Existiam cada vez menos restrições ao turismo e todos estavam a ganhar com um mundo sem fronteiras, porém, a economista acredita que essa realidade desapareceu.

«Estamos a caminhar para um mundo de menor movimento de pessoas. Estamos em modo de desglobalização. Ponto final. Não só do comércio, mas também de movimento de pessoas. Não o queremos aceitar, mas já está a acontecer», explica.

A especialista do Bruegel, que se tem debruçado extensivamente sobre a economia chinesa, afirma que as empresas já há algum tempo que estavam a pensar em depender menos da China, especialmente os grupos japoneses, taiwaneses e sul-coreanos, e que esta pandemia só veio acelerar o processo.

«A China já estava a perder antes do coronavírus e vai perder ainda mais agora. O risco de excessiva concentração está na cabeça de todos os líderes das grandes empresas», garante Alicia Garcia Herrera.

Notícias relacionadas

Últimas notícias

Químicos ecológicos e fiáveis

Soluções mais amigas do ambiente, que permitem uma redução do consumo mas que não comprometem os resultados finais, estão na base da oferta das empresas que se dedicam aos químicos para a indústria têxtil e vestuário, como a LCP - Leite & Campos, o Flamaway Group, a CHT e a Kornit.

ISPO ultima participação virtual

A feira de desporto está a aceitar inscrições para a presença online na edição de fevereiro, assim como de concorrentes ao prémio ISPO Award 2021. A apresentação em formato digital e uma sala de reuniões virtual são alguns dos benefícios dos cinco dias da ISPO Munich 2021.

FS Baby faz apostas múltiplas

A marca de moda infantil está a diversificar a oferta e, para a primavera-verão do próximo ano, apresentou fatos de banho e acessórios em verga. As máscaras fazem também parte da nova realidade, assim como o reforço do canal digital.

Quer receber as nossas notícias?

Subscreva a nossa newsletter diária e receba as últimas notícias diretamente na sua caixa de e-mail