Materiais orgânicos e reciclados

Naturais, biológicos e provenientes de resíduos serão as principais características a ter em conta para os materiais do outono-inverno 2021/2022. À medida que o impacto dos materiais fica sob maior escrutínio, os designers e produtores têxteis irão ter de impulsionar a investigação e o desenvolvimento de sistemas circulares.

A pesquisa em áreas como a biociência, permacultura, fluxos de resíduos e digitalização está a gerar protótipos experimentais sustentáveis um pouco por todo o lado, mas a transição de conceitos especulativos para a produção escalável apenas será possível através da colaboração e do investimento concreto, sublinha o WGSN. Os materiais com base na natureza serão fulcrais, desde os cultivados em laboratório aos colhidos e usados na sua forma bruta.

Natureza

Os produtos considerados até agora apenas para nutrição estão a alimentar a indústria têxtil. A utilização de resíduos da indústria agropecuária para tingir têxteis, por exemplo, está a crescer e a ser cada vez mais valorizada. O mesmo acontece com a introdução de cogumelos e algas, que podem ainda ter um papel importante na criação de produtos biodegradáveis, como prova a t-shirt da Volleback, que é produzida com eucalipto e faia e estampada com algas.

Natureza [©WGSN]
Já Linda Nurk e Marcin Rusak estão a encapsular flores em têxteis bio-sintéticos e em mobiliário, criando versões efémeras de beleza que se desmaterializam com o tempo. Os materiais ancestrais são revisitados na sua simplicidade, nomeadamente papel, pelo animal orgânico e rastreável, linho, juta e seda (também produzida de forma responsável). Nesta área, Sun Lee criou peças de vestuário fabricadas com o tecido tradicional coreano Hansan e papel hanji.

Texturas

Para esta estação, os materiais são trabalhados para parecerem brutos e escavados, chamando a atenção para o impacto da indústria mineira, ao mesmo tempo que criam uma estética pré-futurista. Esta crueza é também conseguida através das estruturas têxteis.

Texturas [©WGSN]
As texturas podem assumir maior relevância, com a utilização de penas, fibras animais naturais e até cabelo humano. A Plumology, por exemplo, é um novo desenvolvimento da designer Sini West, da Universidade Aalto, que usa penas de galinha com nanocelulose à base de madeira e a torna 100% biodegradável. O brilho pode igualmente estar presente, quer com a utilização da iridescência natural, quer conferido através de revestimentos sem plástico.

Tecnologia

A tecnologia tem um papel relevante nos materiais para o outono-inverno 2021/2022, em combinação com técnicas mais artesanais para criar produtos concebidos digitalmente e superfícies com efeitos óticos tridimensionais.

Tecnologia [©WGSN]
A Rive Roshan e a Moooi criaram tapetes com gradientes de cores e Clémence Plumelet desenvolveu um brocado pixelizado aplicado numa caixa de joalharia. Alexandra Fan concebeu igualmente uma coleção com este pressuposto. O WGSN sugere integrar o lado mais artesanal da produção com o digital e o design realizado em computador para desenvolver materiais únicos. A tecnologia tem também relevância para a criação de materiais esculturais, como os têxteis 3D concebidos por Juliette Berthonneau. Pregas, enchimentos e malhas rib estarão em destaque.

Notícias relacionadas

Últimas notícias

Somelos integra tecidos com proteção UV na coleção

O desenvolvimento, realizado em parceria com a Universidade do Minho, permite ter tecidos finos e leves, feitos em fibras naturais celulósicas e com proteção aos raios ultravioletas. Além de um fator de proteção UPF 50+, os tecidos da Somelos têm características de conforto e uma multiplicidade de cores e padrões.

Robotização na produção de vestuário mais perto

Um projeto tecnológico financiado pelo Advanced Robotics for Manufacturing Institute e que junta a Siemens e a Sewbo deu os primeiros passos para revolucionar a indústria de vestuário, com a capacidade de confecionar uma peça de roupa sem intervenção humana.

Indústria de moda britânica anda às compras

A pandemia fragilizou muitas empresas de moda britânicas, que não tiveram outra hipótese que não submeter pedidos de insolvência ou procurar investidores. Uma oportunidade que está a ser aproveitada pelos players mais fortes, como a retalhista Marks & Spencer, que ontem confirmou a compra da marca Jaeger.

Quer receber as nossas notícias?

Subscreva a nossa newsletter diária e receba as últimas notícias diretamente na sua caixa de e-mail