Milano Unica digital em fevereiro

A feira de tecidos italiana acaba de anunciar que a próxima edição será completamente digital, regressando aos eventos físicos apenas em julho. Uma decisão que tem por base as dificuldades nas deslocações, impostas pela pandemia, e que pretende capitalizar o lado digital da indústria.

«Tendo em conta o cenário atual, a Milano Unica olha para o futuro, apoiando-se nas novas opções oferecidas pela tecnologia digital para a 32.ª edição em fevereiro de 2021, que se irá realizar exclusivamente em formato digital», explica a organização em comunicado.

«Estamos muito desapontados por perder esta oportunidade de encontrar e partilhar, que se expressa melhor nas interações pessoais. Contudo, esta é uma decisão forçada, tomada em consequência de uma crise de saúde internacional que persiste», justifica Alessandro Barberis Canonico, presidente da Milano Unica.

A edição de fevereiro será inteiramente online, com recurso à plataforma e-Milano Unica Connect, lançada em setembro passado e na qual a organização está a investir para desenvolver novas opções de encontros virtuais.

Alessandro Barberis Canonico [©Milano Unica]
«Acreditamos que é nosso dever transformar esta escolha difícil [cancelamento da edição física] numa oportunidade para dar espaço à implementação de novos serviços que se apoiam em tecnologias modernas que podem ser usadas por empresários e clientes de qualquer parte do mundo», sublinha Alessandro Barberis Canonico.

A partir de janeiro, refere a organização, a e-Milano Unica Connect vai mostrar as coleções para a primavera-verão 2020.

Re-Touch!

A feira, de resto, já revelou as tendências para a estação quente de 2022, que podem ser consultadas online. Re-Touch! dá o mote, numa espécie de contracorrente à vida atual. «Re-Touch! é um convite a tocar as superfícies dos tecidos e acessórios para chegar a uma reinterpretação responsável e consciente da produção industrial», refere o manifesto, apontando como conceitos-chave a reutilização, a reciclagem e a redigitalização, assim como a importância do toque para compreender as características de um tecido e, avança a Milano Unica, do “made in Italy”.

«Depois de um período de severas restrições em relação ao contacto físico e após um período esgotante de distanciamento social, a Milano Unica, concentrando-se sempre em interpretar correntes contemporâneas, decidiu prestar homenagem ao sentido do tato como um valor primordial das relações e do conhecimento humano», adianta Stefano Fadda, diretor artístico da feira italiana de tecidos.

O tema desenvolve-se em três tendências: Nature, que celebra o trinfo da natureza e reinterpreta os motivos florais; Urban, cujas linhas verticais lembram as paisagens urbanas de arranha-céus; e Digital, que enaltece os processos digitais e se inspira na geometria dos arquitetos italianos.

Primavera-verão 2022 [©Milano Unica]
Tudo mostrado de forma digital, naquele que, segundo Massimo Mosiello, diretor-geral da Milano Unica, será «um desafio importante, que nos vai tornar mais sólidos e estruturados, para vos acolher na próxima edição [física] da Milano Unica, com as coleções para o outono-inverno 2022/2023».

A 33.ª edição da Milano Unica deverá, por isso, realizar-se presencialmente, estando agendada para julho de 2021.

Depois de ter sido obrigada a adiar a 31.ª edição, a Milano Unica reuniu a 8 e 9 de setembro 207 expositores e representantes de  2.400 empresas como visitantes.

Notícias relacionadas

Últimas notícias

Somelos integra tecidos com proteção UV na coleção

O desenvolvimento, realizado em parceria com a Universidade do Minho, permite ter tecidos finos e leves, feitos em fibras naturais celulósicas e com proteção aos raios ultravioletas. Além de um fator de proteção UPF 50+, os tecidos da Somelos têm características de conforto e uma multiplicidade de cores e padrões.

Robotização na produção de vestuário mais perto

Um projeto tecnológico financiado pelo Advanced Robotics for Manufacturing Institute e que junta a Siemens e a Sewbo deu os primeiros passos para revolucionar a indústria de vestuário, com a capacidade de confecionar uma peça de roupa sem intervenção humana.

Indústria de moda britânica anda às compras

A pandemia fragilizou muitas empresas de moda britânicas, que não tiveram outra hipótese que não submeter pedidos de insolvência ou procurar investidores. Uma oportunidade que está a ser aproveitada pelos players mais fortes, como a retalhista Marks & Spencer, que ontem confirmou a compra da marca Jaeger.

Quer receber as nossas notícias?

Subscreva a nossa newsletter diária e receba as últimas notícias diretamente na sua caixa de e-mail